A força da motivação

As empresas sabem que pessoas com brilho nos olhos fazem a diferença. Mas, como estar sempre motivado?

Não é a descoberta da América, muito pelo contrário. Parece óbvio para as empresas que pessoas motivadas cumprem melhor o seu papel. Sem motivação, como aguentar horas e horas, semanas e semanas seguidas em cima de um projeto? Ou ter força para enfrentar a concorrência acirrada que existe tanto fora quanto dentro do escritório? Para Pedro Mandelli, consultor de organização e mudanças e colaborador de VOCÊ S.A., "as companhias de alta performance, as mais competitivas, querem pessoas que enxerguem o trabalho como uma forma de realização pessoal não apenas profissional".

Não existe fórmula mágica para se motivar, mas existem boas dicas. O primeiro componente das pessoas motivadas: metas bem definidas. Pessoas obstinadas e comprometidas com o caminho que traçam e que não dependem da empresa em que trabalham para manter-se entusiasmados, mesmo diante de tarefas corriqueiras. O segundo passo é não deixar a motivação apenas sob a responsabilidade da empresa.

"Cada vez mais as empresas vão investir na capacitação de funcionários que já estejam motivados", afirma Mandelli. O que as empresas querem é gente que apresente soluções para os seus problemas. Que se sinta comprometida com o que está fazendo. Um terceiro passo é o comprometimento. Só os funcionários motivados e comprometidos com a empresa vão ser chamados a fazer parte das soluções. Ver o trabalho como algo que faz diferença no mundo que nos cerca e não apenas na nossa conta bancária no final do mês conseguiremos uma motivação interna muito maior.

Enfim, falando de motivação, não há uma regra geral que possa ser aplicada por todos. É preciso refletir e chegar à conclusão do que é importante para você. Mas preste atenção na forma como se vê o trabalho. Quem enxerga o trabalho como uma obrigação penosa certamente tem muito mais dificuldade para se sentir motivado. "Para se sentir motivado, você tem não só que gostar do que faz, mas também ver significado naquilo que faz e acreditar que aquilo é importante", diz Roberto Coda, professor de recursos humanos da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo. "Quando gostam do que fazem, as pessoas conseguem suportar situações de estresse por longos períodos."

Ocorre que hoje, com a dificuldade cada vez maior de se conseguir uma boa colocação no mercado, muitas pessoas têm que se contentar com o que aparece. E o que aparece dificilmente é o que se deseja. O que fazer? Ficar o mínimo possível de tempo numa situação dessas, eis a única saída porque estar motivada é um diferencial necessário para qualquer pessoa que pretenda ser bem sucedida. No entanto, é uma ilusão pensar que nós conseguimos ficar motivados o tempo todo. Altos e baixos são mais do que normais. Mas é preciso diminuir a distância entre os picos de euforia e de desânimo. Como fazer então para se automotivar? A seguir reunimos o que você deve ter em mente para manter o entusiasmo mesmo com as dificuldades que possam aparecer.

Procure prever e se prevenir contra possíveis passos em falso que você possa dar Se algo der errado, não capitule. Quando você sabe aonde quer chegar, pode até haver uma ponte quebrada no meio do caminho que você encontra rotas alternativas. Procure dar prioridade àquilo que vai lhe ajudar a atingir seu objetivo. Reveja seus propósitos, avalie as falhas, discuta com seus colegas e chefe (desde que confie neles) e busque soluções.

Cace novos desafios Sempre que você consegue vencer uma dificuldade e alcança um objetivo, a motivação aparece. Quando você traz para si a responsabilidade de buscar soluções para os problemas e não fica esperando dos outros, você se estimula. Quem está automotivado gosta do que faz, mas não se contenta em simplesmente fazer tudo sempre igual.

Autoconhecimento. A sua profissão deve permitir que você se realize pessoalmente. "Analise sua personalidade e sua vocação", diz Oscar Motomura, diretor da Amana Key, de São Paulo, e um dos mais respeitados treinadores de executivos do país. Há pessoas que se motivam por poder, outros por dinheiro, outros pelo lado social do trabalho, outros por reconhecimento. Alguns têm vocação para trabalhos operacionais, outros para atividades de planejamento. Há quem goste mais de trabalhar dentro da empresa, há quem só se entusiasme quando trabalha fora dela. Os seus valores também devem ser respeitados.

Fuja dos desmotivados. A desmotivação contamina como um vírus. Ela se espalha muito rapidamente. Já fizeram experiências colocando numa mesma sala nove pessoas deprimidas e uma sã. Depois de uma hora, aquela que estava bem já apresentava sinais de desânimo. Portanto, afaste-se daqueles que vivem repetindo o bordão do amigo do leão da montanha: "Ó céus, ó vida, ó azar..."

Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. Trabalho não deve ser a sua única fonte de satisfação, pois se algo der errado a frustração e a desmotivação serão muito maiores. Procure o equilíbrio entre elas. Esse processo não é estático. Dependendo do momento, podemos estar num extremo ou noutro. Mas temos que aprender a direcionar nossa energia de maneira harmoniosa.

Encare as mudanças de frente. O medo de que as coisas mudem pode desmotivar. Conforme-se: isso é inevitável. As mudanças fazem parte da vida de qualquer empresa. E além das mudanças do ambiente e da rotina do trabalho você também precisa mudar para se desenvolver. E não pode temer esse processo.

Metas realistas. Não assuma atividades que exijam muito mais do que você pode dar. Uma demanda muito maior do que a sua capacidade de gerenciamento vai acabar provocando frustração e, consequentemente, desmotivação. O mesmo raciocínio vale para atividades que estejam muito abaixo da sua capacidade.

Concentre forças no que o motiva e procure enxergar o que inibe o seu entusiasmo. Essa é a fórmula recomendada pelo psicólogo americano Jotham Friedland, do Illinois Institute of Technology, de Chicago, depois de analisar mais de 15 000 pessoas. Segundo seus estudos, são quatro os fatores que mais estimulam a motivação: o desejo de vencer, estar orientado para um objetivo de longo prazo, o nível de iniciativa e o uso consistente de hábitos de trabalho efetivos, como uma boa organização e planejamento. Identifique os fatores que inibem a sua motivação como a tensão, ansiedade, falta de confiança em si mesmo são os problemas mais comuns.

Por fim, você só vai conseguir analisar tudo isso se reservar um tempo para refletir.

Fonte: Groups
Link: http://groups.google.com/group/nepmaranhao/web/pessoas---a-fora-da-motivao