Construir uma mente firme e capaz de aguentar os fortes tremores de uma vida competitiva precisa ser uma prioridade

Imagine você realizando um sonho, algo que te fez trabalhar duro por anos. Na lembrança, suor na camisa, dor no corpo e a ansiedade de uma mente esperançosa. A última coisa que você quer é que algo aconteça de errado, não é? Pois bem, mas infelizmente imprevistos acontecem.

No dia 12 de junho, na estreia do Brasil na Copa do Mundo, o nosso lateral esquerdo, Marcelo, teve a infelicidade de fazer um gol contra logo nos primeiros minutos da partida. Seu rosto transpareceu o caos e a dor do autoflagelo. Não há dúvida de que a situação era bastante conflituosa.

Muitos ficaram apreensivos com relação ao seu desempenho no restante da partida, afinal, eram mais de 60 mil pessoas no estádio e milhões assistindo pela TV ao redor do mundo. A pressão era enorme. Pedir desculpas e dizer que sentia muito não resolveria o problema. Errar faz parte do jogo, mas se abater é uma escolha e um sinal de fraqueza. Ele precisava reagir, e imediatamente.

Permita-me fazer uma breve analogia. Muito se diferencia na construção das casas e prédios no Japão e no Brasil. Além da questão cultural e da história de cada país, o que reflete diretamente na arquitetura, por exemplo, um fator é preponderante para que esta diferença exista: os tremores de terra. Pensar nos fatores externos e climáticos é fundamental para os japoneses pois, se negligenciados, o país viveria em ruínas. Quando lidamos com esportes de alto rendimento, onde os resultados são fundamentais e a cobrança avassaladora, estarmos preparados para o imprevisto pode ser o limiar entre a vitória e a derrota. Construir um alicerce firme e seguro  - uma mente poderosa - é muito importante para que possamos nos sustentar em momentos de crise. O lateral brasileiro é conhecido por ser bastante explosivo e por ceder à provocações com bastante facilidade, mas o que se viu ontem foi um homem se reerguer com extrema rapidez e foco em um objetivo maior do que a satisfação de um ego ferido. Ao meu ver, Marcelo foi um dos destaques da seleção canarinho, não pelo seu desempenho em campo, que foi irregular, mas sim pela grande capacidade de recuperação mental e emocional. "Não desista. Sofra agora e viva o resto da sua vida como um campeão", disse o ex boxeador Muhammad Ali. Se abater diante do erro não é a melhor das escolhas. Construir uma mente firme e capaz de aguentar os fortes tremores de uma vida competitiva precisa ser uma prioridade.

Guilherme Berlinck - coach