Blog

Opinião: É possível ser eficiente e eficaz quando estamos fora da rota?

Quando falamos em eficiência e eficácia logo vêm à mente as palavras: objetivos e processos. Será que é possível ser eficiente e eficaz, ou seja, ser ágil, rápido nos processos e alcançar os resultados almejados quando estamos executando algo que não nos preenche?

Será que vale a pena arriscar projetos, imagens, tanto da empresa quanto do colaborador, simplesmente porque precisamos ser multiuso e multifuncional, como o mundo dos negócios nos dita?

Será realmente que vale a pena?

Quando digo “fora da rota” quero dizer fazer algo para o qual não temos aptidão, não gostamos, que não está dentro de nossas melhores competências.

Sabemos que podemos desenvolver competências e aptidões com treino, persistência e atitude, mas será que é só isso que conta?

Podemos sim executar as tarefas com responsabilidade e até mesmo competência, mas o grande “X” da questão está em refletir: quanto estou sendo eficiente e eficaz, se realmente estou fazendo o máximo, e mais, utilizando o melhor de minhas competências.

Ser um colaborador ou até mesmo um líder mediano nos dias de hoje não é negócio para empresa e muito menos para o profissional, pois estamos vivendo no mundo em que tempo e qualidade são fatores de competitividade. Profissionais alinhados e “dentro da rota” são mais eficientes e eficazes. Não basta fazer certo, adicionar agilidade, rapidez e energia. Não basta alcançar resultados, é necessário que estes sejam alcançados de forma espetacular e principalmente sejam sentidos pelo grupo e líderes como vitória e não como algo que nos tenham custado noites sem dormir, estresse negativo como se a obrigação pesasse mais do que a satisfação de realizar.

Portanto, é importante que, na hora da seleção, as pessoas sejam questionadas e avaliadas quanto às suas verdadeiras aptidões, do que gostam, e suas habilidades para que estas sejam verdadeiramente membros da equipe, comprometidos e envolvidos com a organização.

Não adianta tentar colocar uma porca num prego, pois não há encaixe. Pode até segurar um pouco, mas com o tempo vai cair e danificar o equipamento. Na verdade compromete toda engrenagem.

Imagine quantas porcas são colocadas em pregos numa empresa, é como se tentasse vestir uma camisa P numa pessoa que veste GG ou uma camisa GG em alguém que veste P. Não dá!

Enfim, muitos ajustes precisam ser feitos, muitas rotas ser redefinidas, mas para isso é necessário assumir esta responsabilidade e olhar os profissionais como pessoas que pensam, sentem e que possuem competências únicas que podem e devem ser melhor aproveitadas. Assim, é necessário ter sensibilidade e um olhar mais humano quando se contrata um profissional para fazer parte do seu Time.

Rose Aparecida de França
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.